Brazil, in progress

In general, we understand noise as undesirable sounds. But noise may have other meanings, such as interference between messages or photographic noise. Anyway, noise means anything that must be avoided. ‘Ruído’ (noise in English) is Siqueira’s new, ongoing project. It brings us a vision beyond mistake. It’s a product of his first color studies and has as main reference abstract art. ‘Ruído’ was started as a nocturne project in which Siqueira took photographs – with less or no light – normal Brazilian landscapes by various modal transports, such as bike, bus and train. ‘Ruído’ features abstract landscapes, in which theirs textures remember us the sand.

At this point, Siqueira added a soundtrack – cyclical, but to chance – of a live electric guitar performance that plays itself standalone. The installation is a slide show and use the environment to create unpredictable sounds.

Some pictures of ‘Ruído’ were exhibited for the first time in 2018 at Museu da República (Rio de Janeiro/BR). The photograph ‘Ruído 1361’ is part of ‘Paisagem’, a photo book with 30 artists from Rio and São Paulo, curated in 2019 by Brazilian artists Ana Paula Albé and Marco Antonio Portela. The same picture was a part of an urban wheat paste art intervention in Rio street walls and also it will be a collective book with parts of its wear over time, both curated by Brazilian artist Marcos Bonisson.

TECH SPECS
Title
: Ruído
Artist: Luciano Siqueira
Production
: Brazil, in progress
Technic: audiovisual installation
Expography: slide show projection with electric guitar, amplifier and floor fan
Aspect ratio: 16:9
Resolution: 1080p24 (1920 x 1080)
Duration: loop

PARTICIPATIONS
A CASA Rio de Janeiro/BR, 2019
MUSEU DA REPÚBLICA Rio de Janeiro/BR, 2019
LOVELY HOUSE São Paulo/BR, 2019

 

De uma forma geral, entendemos como ruído sons indesejáveis. Entretanto, a palavra pode ter outros significados, como interferências entre mensagens ou ruído fotográfico. De qualquer forma, ruído significa algo que deve ser evitado. ‘Ruído’ é a produção mais recente de Siqueira e ainda está em processo de construção. Ela nos fornece uma visão que vai além do erro. Fruto de seus primeiros estudos de cores, tendo como principal referência a arte abstrata, ‘Ruído’ iniciou como um projeto noturno, em que o artista fotografou – com pouca ou nenhuma luz – paisagens comuns através dos diferentes modais de transporte que foram usados em seus deslocamentos. ‘Ruído’ apresenta paisagens abstratas, na qual suas texturas nos fazem lembrar a areia e a ação do tempo.

A partir desta observação, Siqueira adicionou uma trilha sonora – cíclica, mas ao acaso – de uma guitarra que toca de forma independente. A instalação é um slide show de fotografias e usa o próprio ambiente expositivo para criar sons imprevisíveis, proporcionando ao espectador um estado de imersão e desaceleração no tempo.

Algumas imagens de ‘Ruído’ foram expostas pela primeira vez em 2018 no Museu da República (Rio de Janeiro/BR). A fotografia ‘Ruído 1361’ é parte integrante do fotolivro Paisagem, com 30 artistas do Rio e São Paulo e com curadoria em 2019 por Ana Paula Albé e Marco Antonio Portela. Essa mesma fotografia participou de uma intervenção urbana de lambe-lambe nas ruas do Rio de Janeiro e será um livro coletivo com partes de seu desgaste ao longo do tempo, ambos com curadoria de Marcos Bonisson.